Quanto vale o silêncio?

silêncio

Ninguém gosta de um ambiente muito barulhento, não é mesmo? Assistir à aula numa classe em que todos falam juntos parece que vai nos deixando surdos ao longo do tempo… “Shhiiiiiu”, “Silêncio”, “Cala a boca, ae”, são pedidos genuínos para redução de ruídos, entretanto, também contribuem para que o volume dos mesmos aumente. Então, fica a pergunta: como reduzir o barulho, sem para isso fazer mais barulho?

Alguns pesquisadores da Universidade de Baltimore, e da Universidade de Medicina Johns Hopkins pensaram em uma estratégia: apresentar um feedback sobre o barulho produzido em uma sala de aula, e premiar os indivíduos com dinheiro, toda vez que o limite de barulho permitido não fosse violado. Como é difícil identificar, em uma sala de aula, quem está de fato produzindo o barulho, estes pesquisadores utilizaram também contingências interdependentes de grupo. Neste tipo de contingência, todos do grupo têm que aderir ao objetivo, para que o grupo todo ganhe o incentivo.

Este estudo foi feito com jovens ex-usuários de drogas, que estavam tendo aulas de treinamento para o mercado de trabalho. Os autores argumentam que essa população tem dificuldades pra conseguir e manter empregos, muitas vezes por apresentarem comportamentos inadequados ao ambiente de trabalho. E esse estudo propõe procedimentos de redução de ruído em um esquema semelhante ao que já é em empregado pela técnica chamada de “therapeutic workplace” (terapia no local de trabalho – em que é comum o uso de dinheiro). Normalmente, trabalhos de redução de ruídos são feitos em locais com crianças, então, um ponto original deste trabalho foi também a população com a qual os autores propuseram a intervenção.

Os pesquisadores colocaram um medidor de som no ventilador de teto de uma sala de aula de jovens e registraram a quantidade de ruídos produzidos normalmente na classe – fase de linha de base. Distribuíram também panfletos e fizeram uma reunião com estes jovens para explicar sobre barulhos, decibéis (dB) e o nível indicado de ruído para um ambiente ser considerado saudável. Explicaram também os procedimentos aos quais os jovens seriam submetidos em função do estudo (avisaram da presença do medidor de som, falaram a quantidade máxima de violações permitidas em um turno, como era o esquema para ganhar o reforço em dinheiro, etc).

O limite de barulho permitido era de 55dB (que é mais ou menos o volume de som de uma conversa normal entre duas pessoas). Toda vez que o barulho excedia esse valor, era computada uma violação. Na fase de linha de base as violações tinham por consequência um alerta verbal. Já na fase experimental as violações eram demonstradas em computadores para os alunos: um gráfico indicava com uma linha azul o ponto dos 55dB permitidos, e uma linha vermelha indicava quase em tempo real os decibéis capitados pelo medidor de som.

Em cada turno era considerado aceitável até 350 violações (10% da quantidade de violações registradas no período de linha de base). Um painel central na sala, que podia ser visto por todos, apresentava o número de violações acumuladas. O painel ficava verde toda vez que uma violação ocorria, ficava amarelo se a quantidade de violações do turno chegasse a 350, e por fim, ficava vermelho se o limite máximo de violações fosse atingido. Para determinar o total de dinheiro que cada participante receberia, o tempo que o participante permanecia em sala era dividido por 120 (quantidade máxima de minutos por turno), e esse quociente era revertido para um valor em dólar (por exemplo, se um participante passou 48 minutos em sala, ele recebeu 40 centavos de dólar por aquela sessão).

Com todo esse aparato os autores do estudo conseguiram fazer com que o barulho diminuísse durante todo o período experimental (cerca de 20 dias). Entretanto, na volta para a condição inicial (com a retirada do feedback e do reforço com o pagamento), o barulho voltou a aumentar. É possível imaginar esse resultado na medida em que a intervenção apresentava punição contígua ao comportamento (toda vez que havia uma violação o painel mostrava, punindo aquele comportamento que causou a violação), e sabemos, por vários estudos, que a punição perde efeito rápido. Além disso, o reforço era dado em longo prazo: no final do turno (que pode até parecer pouco tempo, mas devemos considerar que se passavam vários minutos entre a emissão dos comportamentos adequados e a apresentação do reforço), outro fato que parece dificultar a manutenção de um certo comportamento.

Considerando isso, podemos pensar no que aconteceria se tirássemos só o reforço com o dinheiro. O painel ainda seria útil para que os participantes conseguissem manter o nível de barulho dentro do padrão estabelecido? E também o inverso, retirando o painel e deixando que os participantes continuassem a receber o reforço em dinheiro? E se tivesse um marcador mostrando o quanto de dinheiro cada participante estava acumulando, seria mais eficaz? Ou ainda, podemos pensar que o tempo em que os participantes ficaram submetidos às condições experimentais não foi suficiente para que os comportamentos se mantivessem com a retirada das consequências diretas propostas pelo estudo… São muitas as ideias! Daria para pensar em um novo estudo… Mas é importante lembrar que os resultados indicam que o procedimento proposto pelos autores foi bom (já que no período experimental o barulho realmente diminuiu), mas que ainda é bem complicadinho manter esse tipo de controle. Para finalizar esse post, deixo a proposta: que tal apreciarmos um pouco melhor o valor do silêncio?

Quer saber mais? Aqui está a referência do artigo original:

Ring, B. M.; Sigurdsson, S. O.; Eubanks, S. L. (2014). Reduction of classroom noise levels using group contingencies. Journal of Applied Behavior Analysis, 47(4), 840–844.

Melina Vaz- estreando por aqui, a um passo de ser doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Psicobiologia/USP-RP, e em treinamento para não contribuir com o aumento de ruídos.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s