O que uma “corrida radical” pode nos dizer sobre ensino-aprendizagem?

marlon

Como motivar os alunos a se empenharem em realizar suas tarefas de casa? Em especial, alunos com dificuldades de aprendizagem. No estudo de Derek Houser e colaboradores, alunos norte-americanos foram expostos a uma intervenção e como resultado aprimorou-se o desempenho acadêmico destes alunos.

Esse estudo foi realizado com alunos de uma sala de inclusão que apresentavam dificuldades de aprendizagem e a maioria possuía algum tipo de deficiência. Ademais, apresentavam baixo desempenho escolar e, em geral, não completavam suas lições de casa. A intervenção procurou gerar um clima de competição amistosa e motivar os alunos no engajamento em suas tarefas por meio de múltiplos componentes. Esses componentes eram: uma pista de brinquedo oval com 20 casas, cinco cores diferentes de carrinhos de corrida, o placar que indicava a colocação dos carrinhos, um quadro, cartões para recompensas ao time vencedor e um “motivador misterioso” que era um brinde obtido ao final da corrida. Toda a tarefa que envolvia o processo de intervenção foi nomeada corrida radical (Radical Raceway no original) e a condução do experimento ficou a cargo dos dois professores responsáveis pela sala.

 

Mas o leitor deve estar se perguntando! Como isso foi programado? Vamos descrever o método do estudo então!

 

Na condição inicial não era realizada nenhuma alteração na rotina dos estudantes. Os alunos tinham dez minutos ao final da aula para realizarem suas lições de casa independentemente e, após tocar o sinal, entregavam a lição em uma caixa na mesa do professor. Durante a condição de intervenção, os professores dividiram os alunos em cinco times com base nas cores dos carrinhos de corrida e explicaram aos alunos as regras do jogo. Ao longo desta fase, nos dez minutos finais da aula, os times se reuniam em rodas onde eram discutidas as resoluções da lição de casa. Desse modo, cada time tinha dez minutos para resolução da atividade e, ao tocar do sinal, os alunos deveriam entregar as suas lições na caixa do professor. O critério para o avanço na corrida era a entrega das atividades de todos os membros do time realizadas em sua totalidade e com no mínimo 85% de acertos. Completar as tarefas dentro deste critério dava direito a cada grupo avançar uma casa com seus carrinhos e o time recebia uma recompensa adicional. Diariamente, o time com maior número de pontos nas tarefas poderia avançar duas casas adicionais e o time em segundo lugar uma casa adicional.

O time vencedor, ou seja, o primeiro a cruzar a linha de chegada, tinha acesso a um envelope com a indicação do “motivador mistério” (brinde com alto valor reforçador). Os professores monitoravam os desempenhos dos times publicamente por meio de postagens em um placar com a posição de cada carrinho. Adicionalmente, os professores postavam em um quadro os nomes da equipe, as cores dos melhores colocados, as médias diárias dos trabalhos de casa (contendo a conclusão e precisão das tarefas de cada time), porém, as notas dos alunos individuais não eram postadas. Havia um retorno à condição inicial (sem intervenção) e posteiromente os alunos eram reexpostos à intervenção para finalizar o experimento.

 

Esperando por detalhes dos resultados? Vamos conferir!

 

A corrida radical produziu contingências interdependentes nos grupos, ou seja, os elementos da corrida radical foram reforçadores e produziram aumento do repertório acadêmico desejado. Tais elementos, segundo os pesquisadores foram: a colaboração entre os colegas do time na realização das tarefas, o motivador secreto e próprio avançar dos carrinhos pelas casas.

Os resultados mostram que todos alunos tiveram melhoras nas suas notas e entregaram as lições de casa com pontualidade (incluindo alunos com planos de ensino individualizado, dos quais se esperava maior dificuldade com a realização das tarefas), entretanto nas condições em que a corrida radical (intervenção) era retirada este desempenho não era mantido. Os autores discutem que estudos futuros deveriam verificar qual parâmetro da intervenção de fato é crucial para o aumento de engajamento nas tarefas, ou seja, qual característica da corrida radical permitiu a melhor adesão nas tarefas. Ainda, segundo os autores, novos estudos poderiam verificar o efeito de uma intervenção ao longo do tempo (a corrida radical ou outra intervenção) e se possível verificar a ocorrência de explicita generalização de desempenho para outras atividades.

 

Resumo da ópera e a moral da história…

 

Desse modo, o estudo Derek Houser e colaboradores teve como principal contribuição mostrar que intervenções com multicomponentes podem melhorar consideravelmente o desempenho e engajamento de alunos com dificuldades de aprendizagem. Esse estudo mostra que a corrida radical é uma intervenção eficaz e original, pois confirma que, no processo de ensino, as contingências planejadas em sala de aula podem favorecer a aprendizagem.

 

Para saber mais sobre o estudo:

 

Houser, D., Maheady, L., Pomerantz, D., & Jabot, M. (2015). Effects of Radical Raceway on Homework Completion and Accuracy in a Ninth-grade Social Studies Inclusion Class. Journal of Behavioral Education, 24(4), 402-417.

 

Texto escrito por Marlon Alexandre de Oliveira

Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de São Carlos

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s