Yoga e vídeos?! Seria essa uma boa combinação?

 

imagem-texto-cris-blog-comeco-png

Yoga é um sistema que envolve práticas corporais e de meditação que buscam aumentar o bem-estar integral da pessoa. Dentre as práticas corporais, existem posturas que o aprendiz precisa executar.

O estudo que iremos descrever apostou no ensino de três posturas de Yoga com a utilização de vídeos como instrumento para a aplicação do procedimento de correção. As posturas escolhidas foram as tradicionais: postura da árvore, do cachorro e do guerreiro.

Ficou curioso para saber quais são elas? Nós também!! Por isso, criamos um quadro com as imagens para te ajudar!! Veja…

imagem-texto-cris-correta

Dois estudantes universitários com 21 e 24 anos, Bill e Tom, interessados em aprender Yoga participaram do estudo. Apesar de interessados, eles nunca haviam praticado antes. Como repertório inicial, foram ensinadas as três posturas tradicionais de Yoga, ilustradas acima, com a ajuda de instrutores especializados.

Em seguida, na fase de Linha de Base, os participantes eram filmados por diversos ângulos, enquanto praticavam as posturas aprendidas, e deveriam repetir por três vezes cada uma delas. Após as filmagens, havia duas propostas de intervenção utilizando, como ferramenta principal, os vídeos gravados durante a Linha de Base.

O objetivo do estudo era comparar a eficácia das duas intervenções na prática específica de Yoga, sendo a primeira a Auto-avaliação via vídeo e a segunda o Vídeo feedback com a presença do pesquisador.

A primeira intervenção realizada foi a Auto-avaliação. Os participantes assistiram aos seus próprios vídeos e aprenderam a pontuar suas posturas com a ajuda dos pesquisadores. Para isto, eles utilizaram um roteiro próprio. O passo seguinte, após aprender a pontuar, era assistir aos demais vídeos deles mesmos e realizar novas pontuações, mas agora, sozinhos e sem ajuda. Em seguida, ainda sozinhos, eles praticavam as posturas novamente, e isto era filmado para gerar novos vídeos. Então, como último passo deste procedimento, eles assistiram aos novos vídeos e pontuaram suas posturas.

Para Bill, houve o aumento da porcentagem de acertos dos passos para a execução das três posturas já com a primeira intervenção, a Auto-avaliação via vídeo. Sucesso!!! E para Tom, houve este aumento para duas posturas, sendo que, apenas para a postura do cachorro, foi necessária a segunda intervenção, ou seja, o Vídeo feedback com a ajuda do pesquisador.

E como isto ocorreu? A postura foi praticada pelo participante e filmada pelo pesquisador que apresentava feedback verbal para cada passo durante a execução. Logo após, os vídeos foram assistidos e avaliados, passo a passo, por ambos, participante e pesquisador juntos. Ou seja, nesta proposta de intervenção, o pesquisador se fez presente durante todo o tempo, tanto no momento de praticar as posturas quanto para assistir aos vídeos e pontuá-los.

Os autores finalizaram o artigo destacando que este foi o primeiro trabalho que utilizou a Auto-avaliação com o uso de vídeos na prática específica das posturas de Yoga. Eles afirmaram que a Auto-avaliação foi muito eficaz para melhorar o desempenho da execução das posturas, apontando duas questões relevantes. Uma delas é a evidência de que as pessoas podem avaliar seus próprios desempenhos e fazer correções para melhorá-los, e a segunda, é a sugestão de que esta pode ser uma alternativa mais econômica, se comparada ao uso de vídeos junto aos treinadores, que é uma prática comum entre os esportistas.

Obviamente, outras pesquisas devem ser feitas, incluindo outros esportes. Mas, por hora, parece que a aprendizagem por meio de “auto vídeos” é uma possibilidade promissora, já que permite o treino discriminativo das propriedades sutis dos movimentos realizados e, assim, pode-se aprender a identificar os erros de execução e corrigi-los, sem que um instrutor esteja presente ao longo do treinamento inteiro.

Gostou da ideia? Consegue pensar sobre novas possibilidades para o uso destas mesmas intervenções em outros ambientes e para outros repertórios? Para facilitar, comece identificando alguns processos comportamentais envolvidos, como por exemplo, modelação, modelagem, uso de regras e autorregras, dentre outros.

Você pode buscar o artigo original, caso ainda esteja curioso!!!

Downs, H. E., Miltenberger, R., Biedronski, J. & Witherspoon, L. (2015). The effects of video self-evaluation on skill acquisition with yoga postures. Journal of Applied Behavior Analysis. 48 (4), 930-935.

Para o Boletim Behaviorista, o texto foi escrito por Cristiane Alves, professora efetiva do curso de Psicologia da Universidade Federal de Goiás (UFG) – Regional Catalão, e atualmente, doutoranda no Programa de Pós-graduação em Psicologia da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), sob orientação do professor Dr. Júlio César Coelho De Rose.

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s