Nomeação por Exclusão: Um Novo Marco no Desenvolvimento do Comportamento Verbal?

 

imagem Djenane

Ao pesquisar como certas experiências vividas pela criança (aprendizagem) afetam a aquisição e o desenvolvimento da linguagem (comportamento verbal), Greer & Du (2015) identificaram uma nova cúspide (marco do desenvolvimento que implica no aprendizado de coisas que não eram possíveis até então, pelo contato com novas contingências) e uma capacidade de aprendizagem (que possibilita aprender de novas formas), dentro do contexto da Teoria do Desenvolvimento do Comportamento Verbal (Verbal Behavior Developmental Theory, VBDT). Trata-se da capacidade de falar e de reagir/responder aos nomes dos objetos e eventos do mundo, aprendida de forma incidental (Nomeação), produzida em situações em que se insere um novo nome e uma figura ou objeto desconhecido junto a outros familiares (Exclusão). Adicionalmente, mostraram que o Ensino por Múltiplos Exemplares e Exclusão (Exclusion Multiple Exemplar Instruction, EMEI) produz o aparecimento da nomeação por exclusão (Naming by Exclusion, NE) em crianças, estendendo achados anteriores sobre a indução das primeiras instâncias da nomeação clássica. Os achados têm implicações para as áreas básica e aplicada. Por exemplo, os pesquisadores afirmam que o responder por exclusão poderia ser uma variável capaz de confundir os achados dos testes de equivalência de estímulos e outros tipos de relações derivadas, produzindo resultados falsos positivos. No domínio aplicado, argumenta-se que o aparecimento da nomeação explica, ao menos em parte, como as crianças aprendem a falar e a reagir/responder aos nomes das coisas sem serem diretamente ensinadas, o que é considerado crucial para o aprendizado e sucesso escolar nas turmas típicas do ensino fundamental. Será?! Vamos conferir o que os pesquisadores fizeram?!

Greer & Du (2015) realizaram dois experimentos. O primeiro buscou determinar se crianças que possuíam nomeação, tal como avaliada pelo protocolo clássico, possuíam também a nomeação por exclusão. O segundo buscou verificar se a NE poderia ser induzida nas crianças que não a apresentavam, mas apresentavam nomeação clássica, através do EMEI. Participaram do primeiro experimento 39 crianças, de ambos os sexos (apenas 10 meninas), com idades entre 2 anos e 10 meses e 5 anos. A grande maioria possuía o diagnóstico de autismo; 4 delas possuíam comprometimento da fala/linguagem e 3 possuíam desenvolvimento típico. Todas elas apresentavam a cúspide e capacidade de nomeação clássica, mas eram classificadas em diferentes níveis dentro da VBDT, variando de repertórios comportamentais bem básicos de pré-ouvinte a repertórios mais sofisticados. As atividades de avaliação e ensino foram realizadas, individualmente, na escola onde as crianças estudavam, na própria sala de aula, durante o horário escolar. Estímulos visuais bidimensionais (2D, cartões com figuras ou símbolos chineses, para as crianças a partir de 3 anos de idade) e tridimensionais (3D, pequenos objetos, para as crianças menores) compunham parte dos estímulos empregados. Havia um conjunto de estímulos familiares (trinta para cada criança) e outro desconhecido das crianças, como requer o procedimento de exclusão. Os estímulos desconhecidos eram os estímulos-alvo do experimento. Tratavam-se de vinte e cinco objetos ou vinte e cinco símbolos chineses, divididos em 5 conjuntos de 5 estímulos cada, aos quais foram atribuídos nomes fictícios.

A condição de ensino anterior aos testes, chamada de oportunidade de aprender por exclusão ou experiência de nomeação por exclusão, consistia na apresentação de 5 estímulos visuais (cartões com figuras/símbolos chineses ou objetos) por tentativa, dispostos sobre uma mesa do tamanho apropriado para a criança, sendo um deles desconhecido e os demais familiares. O experimentador solicitava à criança que lhe entregasse um objeto ou cartão cujo nome (inventado) correspondia ao único estímulo visual desconhecido dos expostos sobre a mesa. Respostas corretas eram seguidas por reforçadores sociais, como aprovação, ou fichas, e respostas incorretas eram ignoradas. Realizavam-se 4 apresentações de cada estímulo em séries de vinte tentativas. O critério de acertos era de 90% em duas séries consecutivas, ou 100% em uma série. Atingido o critério, e após pelo menos duas horas, procedia-se ao teste (pré-teste ou pós-teste) de nomeação por exclusão, que consistia em uma série de 20 tentativas não reforçadas, 10 tentativas sucessivas para cada resposta, não diretamente ensinada, descrita a seguir: (a) apontar o estímulo correspondente ao nome falado pelo experimentador, num universo de 3 estímulos visuais, sendo 2 familiares e 1 desconhecido (resposta de ouvinte) e (b) falar o nome diante da apresentação do objeto pelo experimentador acompanhada da pergunta “O que é isso?” (resposta de falante, tatear intraverbal). Neste caso, nenhuma consequência era apresentada para as respostas definidas como corretas ou como incorretas. Com o objetivo de garantir a realização da atividade, apresentavam-se consequências positivamente reforçadoras para respostas como manter-se engajado na tarefa, entre as tentativas de teste não reforçadas. Determinou-se que 80% de acertos (critério padrão nos testes de nomeação clássica), na série total e em cada modalidade de respostas, definia o limite a partir do qual a criança seria considerada como apresentando NE.

Os resultados mostraram que apenas 5 crianças das trinta e nove possuíam NE e não houve correlação do desempenho com o diagnóstico das crianças ou sua idade. Assim, concluiu-se que apresentar a nomeação na sua forma clássica não necessariamente implica em apresentar a nomeação por exclusão, sugerindo que esta última seria uma nova cúspide e capacidade no desenvolvimento do comportamento verbal, consistindo numa importante forma de aprender repertórios verbais de modo incidental.

Das trinta e quatro crianças que não apresentaram NE no Experimento 1, dezesseis foram selecionadas para participar do Experimento 2 e divididas em dois grupos equivalentes: Experimental e Controle. O Grupo Experimental foi submetido ao Ensino por Múltiplos Exemplares e Exclusão (EMEI), além de seguir o currículo escolar regular. O Grupo Controle foi exposto apenas ao currículo escolar regular. Apesar do pequeno número de participantes, os pesquisadores combinaram o delineamento de grupo com o delineamento de sujeito único. O Experimento 1 serviu de pré-teste para o Experimento 2. Pós-testes, com o conjunto de estímulos usado no pré-teste e um conjunto novo, foram realizados após a criança atingir o critério de desempenho (90% em duas séries consecutivas ou 100% em uma) no procedimento de intervenção, EMEI. O EMEI consistia na apresentação de um conjunto de 5 estímulos, diferente daqueles usados nos testes, em séries de 20 tentativas, entrelaçadas, para cada uma de quatro modalidades de respostas: (a) dar a figura ou o objeto solicitado pelo experimentador; (b) apontar para a figura ou para o objeto que teve o nome falado pelo experimentador, ambos em condição de exclusão (um objeto novo e dois familiares; ambas as respostas [a e b] chamadas de respostas de ouvinte); (c) dizer o nome da figura ou do objeto indicado pelo experimentador (tatear) e (d) dizer o nome da figura ou do objeto indicado pelo experimentador, somada a pergunta ” O que é isso?” (tatear intraverbal; ambas as respostas [c e d] chamadas de respostas de falante).

Todos os participantes do Grupo Experimental atingiram o critério para a presença de NE, embora tenha variado, de 1 a 3, o número de conjuntos de estímulos necessários para alcançar este desempenho. Um dos participantes do Grupo Controle também apresentou NE. As análises estatísticas permitiram afirmar que os grupos eram equivalentes em relação às respostas de ouvinte e falante no pré-teste, mas que havia diferenças significativas entre eles nos pós-testes, com o desempenho dos participantes do Grupo Experimental sendo bem mais acurado nos pós-testes do que o do Grupo Controle. Foi possível afirmar a generalidade dos fenômenos estudados para a população em questão. Argumentou-se que o desconforto experimentado em situações em que há estímulos para os quais já se sabe responder verbalmente (e.g., dizer o nome) e um estímulo novo, cujo nome é desconhecido, parece estabelecer as condições reforçadoras, a “necessidade de saber” que origina a nomeação por exclusão. Certamente mais pesquisas precisam ser realizadas para confirmar os achados do presente estudo. E você, ficou em desconforto com esses achados ou argumentos? Está sentindo uma “necessidade de saber”? Quer ler mais? Então confira:

Greer, R. D., & Du, L. (2015). Experience and the onset of the capability to learn names incidentally by exclusion. The Psychological Record, 65, 355-373.

Créditos da imagem: http://www.autismoevida.org.br/2012/11/alfabetizacao-e-autismo.html em 08/05/2015

Resumo elaborado por Djenane Brasil da Conceição, Professora Adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB).

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s